Cientistas dos EUA fazem com que células cancerígenas se autodestruam

Washington, 9 mai (EFE).- Uma equipe de cientistas dos Estados Unidos descobriu um possível fármaco que faz com que as células cancerígenas se autodestruam, segundo publicou nesta segunda-feira a revista "Proceedings of The National Academy of Sciences" (PNAS).

 

O novo composto químico age sobre as células cancerígenas com mais precisão do que qualquer tratamento existente, segundo a pesquisa feita por cientistas do Instituto de Pesquisa Scripps (TSRI), na Flórida.

 

O grande avanço deste possível remédio, que foi testado em animais, é a precisão, já que ataca diretamente as células que causam o câncer, inclusive as que permanecem ocultas, e não afeta às células saudáveis.

 

Esse composto químico ativa um mecanismo pelo qual as células cancerígenas "se matam" de forma "programada", explicou o professor Matthew Disney, que liderou a equipe de pesquisa.

 

A descoberta pode ser implementada nos principais fármacos contra o câncer utilizados na atualidade em tratamentos, de modo que melhorem a identificação das células cancerosas e atuem diretamente contra elas.

 

Isto significa que não seria apenas um tratamento eficaz, também atuaria diretamente sobre o tumor, com o que se minimiza o dano às células saudáveis.

 

Até o momento, os tratamentos de maior precisão exigiam um maior tempo de espera ou eram mais longos. No entanto, este composto melhora o tratamento em todos os sentidos: é mais rápido, mais eficaz e menos agressivo.

 

O tipo de câncer no qual o tratamento é mais efetivo é o câncer de peito de mais rápido crescimento, que representa entre 10% e 20% dos casos de câncer de mama.

 

Os pesquisadores do laboratório da Disney esperam que o fármaco, uma vez aprovado, possa ser aplicado no futuro a todos os tipos de tumores e inclusive para combater doenças virais graves como a zika e o ebola.

 

Essa descoberta foi possível com a aplicação da engenharia e da informática à medicina, uma estratégia na qual são pioneiros os laboratórios do TSRI, uma das das maiores organizações especializadas na pesquisa biomédica. EFE

Categoria:Saúde

Deixe seu Comentário